top of page
  • Foto do escritorDra. Vanessa Santarosa

Primeira medicação aprovada para doença ocular tireoidiana


doença de graves, oftalmopatia, proptose, tireoide

     O hipertireoidismo de causa auto-imune conhecido como Doença de Graves pode cursar com a oftalmopatia de Graves, que apesar de rara, tem potencial de ser extremamente grave, comprometendo a visão e prejudicando esteticamente o indivíduo. A principal característica da oftalmopatia de Graves é o exoftalmo, ou seja, o olho " esbugalhado", saltado para fora. Associado, pode ocorrer estrabismo, dor ocular, vermelhidão, sensação de corpo estranho, lacrimejamento excessivo, fotofobia, visão dupla, edema das pálpebras e infecções oculares de repetição pois o olho fica mais exposto e seco.

     Até o momento, o tratamento mais efetivo para a doença ocular tireoidiana era o próprio controle do hipertireoidismo com medicações antitireoidianas visando manter as taxas hormonais normais, aliado a imunossupressão com corticoide, radioterapia ou cirurgia ocular.

     A oftalmopatia na Doença de Graves é mediada por anticorpos conhecidos como anticorpo anti receptor de TSH (TRAB). O tecido orbitário expressa receptores tireotrópicos e portanto a manifestação ocular pode fazer parte do quadro clínico. No entanto, alguns indivíduos com a oftalmopatia apresentam TRAB negativo sugerindo que outros antígenos possam estar envolvidos. Estudos demonstram que o receptor do fator de crescimento semelhante à insulina tipo 1 (IGF-1) são expressos em quantidades maiores em pacientes com Doença de Graves. O IGF-1 é uma proteína produzida no fígado em resposta ao hormônio de crescimento (GH) com papel importante no crescimento, desenvolvimento e metabolismo. Essa proteína também contribuiu nos mecanismos de imunidade, motivo pelo qual pode ser alvo terapêutico em doenças auto-imunes.

      A primeira medicação aprovada recentemente pelo FDA e destinada a doença ocular tireoidiana chama-se teproturumab. Trata-se de um anticorpo monoclonal contra o receptor de IGF-1. Estudos in vitro demonstravam que a inibição do receptor de IGF-1 atenuava as ações do IGF-1, do TSH e do TRAB nos fibroblastos orbitários diminuindo inflamação e proliferação fibroblástica. O estudo clínico com o teproturumab foi publicado no Journal of the Endocrino Society, com um total de 171 pacientes que mostrou melhora em 77% dos casos de exoftalmo após 6 meses de tratamento, independentemente do sexo, idade ou tabagismo, que são características que frequentemente impactam na resposta aos tratamentos previamente existentes. A medicação apresenta perfil de segurança adequado com baixos índices de efeitos colaterais e excelentes resultados para a doença ocular moderada a grave.



Dra. Vanessa Aoki Santarosa Costa

Médica Endocrinologista formada pela Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo

Mestrado em Tireoidologia pela Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo

Foi  médica colaboradora no Ambulatório de Diabetes Gestacional da UNIFESP

Atua em consultório médico particular na Vila Clementino, Zona Sul, São Paulo.

376 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page