top of page
  • Foto do escritorDra. Vanessa Santarosa

Efeitos do Coronavirus no Sistema Endocrinológico



A epidemia pelo novo vírus SARS-CoV-1, agente etiológico do COVID-19, causa a princípio na maioria dos casos, sintomas leves e semelhantes a um estado gripal. No entanto, os estudos e pesquisas dos casos acometidos mostram cada vez mais, pós infecção, sintomas e sequelas nos diversos órgãos e sistemas. No sistema endocrinológico diversas complicações pós infecção pelo COVID têm sido relatadas.

Casos novos de diabetes após o COVID ou piora da doença preexistente em pacientes infectados é um alerta para os médicos endocrinologistas. O vírus aparentemente causa uma disfunção na secreção da insulina levando ao aumento da glicemia. Nesses pacientes, o controle rigoroso do diabetes é medida importante para a própria recuperação pós COVID. A intensificação do tratamento e a pesquisa ativa de diabetes pós a doença tornar-se necessária e indicada.

Relatos de casos de tireoide subaguda levando a alterações nos hormônios tireoidianos também têm sido descritos. À semelhança de outros vírus respiratórios apontados como fator gatilho para a tireoidite, como adenovírus e citomegalovírus, o SARS-Cov-1 também pode ocasionar tireoidite. Os sintomas se iniciam com dor cervical com irradiação para a mandíbula e febre (muitas vezes o quadro é confundido com uma inflamação de garganta). Na vigência do quadro, podem surgir sintomas do hipertireoidismo ou hipotireoidismo, que podem ser transitórios ou permanentes.

Outra glândula endócrina que pode ser afeta é a adrenal, levando à quadros de insuficiência adrenal parcial ou total. A deficiência de cortisol causa fadiga, hipotensão, tontura, fraqueza generalizada, perda de peso dentre outros sintomas. Um quadro de fadiga crônica, mal-estar generalizado pós a infecção pelo COVID pode ser decorrente ao acometimento da glândula adrenal, sendo necessário uma avaliação pelo endocrinologista para adequada reposição de corticoide. O uso de corticoide (dexametasona) tem se mostrado benéfico nos principais protocolos de tratamento para o COVID-19. Nos casos descritos de insuficiência adrenal, espera-se ocorrer recuperação espontânea no prazo de 12 meses.

Por fim, indivíduos com deficiência de vitamina D, mais considerada um hormônio do que vitamina, são mais susceptíveis à infecção pelo coronavírus. Garantir uma adequada reposição dessa vitamina traria benefícios ao sistema auto-imune e portanto poderia melhorar o prognóstico desses pacientes. Em tempos de pandemia, dosar e repor vitamina D é uma medida preventiva adicional recomendável.


Dra. Vanessa Aoki Santarosa Costa Médica Endocrinologista formada pela Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo Mestrado pela Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo Foi médica colaboradora no Ambulatório de Diabetes Gestacional da UNIFESP Atua em consultório médico particular na Vila Mariana, Zona Sul, São Paulo.


2.091 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


altamyrmielke
Nov 13, 2021

Estes sintomas descritos aqui pela Dr. VANESSA SÃO reais . Estou passando por todos eles . Estou sendo internado constantemente.

Like
bottom of page