top of page
  • Foto do escritorDra. Vanessa Santarosa

Entenda a importância da vacina da gripe durante a pandemia do coronavírus


Vacina gripe coronavírus

     Essa semana o Ministério da Saúde inaugurou a Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe. Diante da orientação de evitar aglomerações, sobretudo em ambientes médicos/hospitalares, como fica a decisão do cidadão em sair de casa para tomar a vacina da gripe? As informações a seguir podem contribuir para você tomar a decisão certa: é necessário se vacinar!

     A vacina contra a gripe muda anualmente e segue os padrões de recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde), que determina quais cepas são mais prevalentes nos hemisférios Sul e Norte. A vacina é composta por vírus inativado, portanto, NÃO causa gripe. NO SUS, existe a vacina trivalente que protege contra os 3 vírus que foram mais comuns no hemisfério Sul em 2019: 2 cepas de Influenza A (H1N1 e H3N2) e 1 cepa de Influenza B. As clínicas particulares dispõem da vacina quadrivalente que engloba 1 subtipo a mais do Influenza B. A vacina é um método seguro e o mais eficaz de prevenir a gripe causada pelo H1N1 assim como suas complicações, que em 2019 causou próximo de 800 óbitos no Brasil, sendo a maioria acima dos 60 anos, portadores de doenças cardiovasculares e diabéticos. Em 2020, até início desse mês foram registrados 13 óbitos por Influenza A (H1N1) e 14 óbitos por Influenza B. A epidemia do H1N1 começou em 2009 e gerou alarde semelhante ao do coronavírus, porém algumas peculiaridades ajudaram a conter o surto naquela ocasião: já existia antivirais no início da pandemia – o Oseltamivir, Tamiflu - e o vírus era mais semelhante a outros que já circulavam, conferindo de certa forma alguma imunidade na população. Até o momento, apesar de incertas as estimativas, calcula-se que a letalidade do coronavírus varie de 0,7 a 6% a depender do país, no Brasil o Ministério da Saúde confirma 1.891 casos e 34 mortes, ou seja, letalidade próxima de 1,8%. Já o H1N1 apresentou mortalidade próxima de 0,3% e só foi menor graças ao desenvolvimento da vacina.  

      A Campanha esse ano iniciou quase 1 mês antes para proteger de forma antecipada a população de maior risco: os idosos. É importante salientar que a vacina da gripe não protege contra o coronavírus mas de certa forma auxiliará nessa epidemia pois a vacinação ajudaria a reduzir a procura por serviços de saúde por sintomas gripais e contribuiria para os profissionais de saúde no diagnóstico do coronavírus, já que se o indivíduo foi vacinado contra a gripe e apresentar sintomas como febre, tosse e falta de ar provavelmente não seria H1N1 e sim um caso mais suspeito para o coronavírus. Na 2a fase da campanha, que acontecerá a partir de 16 de abril o público-alvo será pacientes com doença crônica como diabetes, hipertensão, asma (dentre outras), professores e profissionais das foças de segurança e salvamento. A partir de 9 de maio serão vacinadas crianças entre 6 meses e 6 anos, gestantes, puérperas, indígenas, pessoas em cárcere e indivíduos entre 55 e 59 anos. Esse ano houve um acréscimo relevante no público-alvo prioritário incluindo os adultos de 55 a 59 anos. Com a vacinação, a imunização ocorre após 2 a 3 semanas e apesar de não ser 100%, chega a números bem próximos disso. Portanto se você se inclui no grupo prioritário tome a vacina da gripe, isso certamente ajudará na sua saúde e contribuirá para a saúde do próximo!


Dra. Vanessa Aoki Santarosa Costa

Médica Endocrinologista formada pela Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo

Mestrado em Tireoidologia pela Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo

Foi  médica colaboradora no Ambulatório de Diabetes Gestacional da UNIFESP

Atua em consultório médico particular na Vila Clementino, Zona Sul, São Paulo.

82 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page