top of page
  • Foto do escritorDra. Vanessa Santarosa

Insulina inalatória - Uma nova trajetória na história da insulina



insulina inalaria - Afrezza


    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou em junho de 2019 a comercialização do produto Afrezza®, que é uma insulina em pó de ação ultrarrápida. A notícia agradou milhões de brasileiros entre médicos e pacientes portadores de diabetes pois essa insulina promete maior facilidade na aplicação e garante melhoria na qualidade de vida dos portadores da doença. A previsão é que o produto chegue às farmácias ainda esse ano, no final de 2019. Nos Estados Unidos, a Afrezza é aprovada pelo FDA desde 2014, funcionando de forma equivalente às insulinas ultrarrápidas de uso subcutâneo existentes no mercado, como a lispro (Humalog®), asparte (Novorapid®) e glulisina (Apidra®), só que é administrada por via inalatória.

    Historicamente, a Affrezza® não é a primeira insulina inalável aprovada para uso comercial. Em 2006, tanto o FDA como a ANVISA aprovaram o Exubera® registrado pela Pfizer®, no entanto o laboratório anunciou o cancelamento da venda deste produto no ano seguinte alegando motivos econômicos. A decisão aparentemente não teve problemas relacionados à eficácia ou segurança do produto, que foram amplamente comprovadas por estudos na época, e sim pelo fato de o produto não ter atingido as expectativas da companhia, uma vez que não teve a aceitação esperada no mercado, o investimento foi muito alto e o retorno financeiro muito aquém do previsto.

     Apesar do histórico ruim com o Exubera, a Affrezza® traz novas esperanças, pois abre um novo leque de possibilidades terapêuticas para o emprego da insulina em adultos com diabetes mellitus. Já era sinônimo de insulina a injeção subcutânea, esse estigma afastou e afasta muitos pacientes do tratamento e do bom controle da doença. A novidade permite substituir as aplicações chamadas de "bolus", que são prescritas pré refeição e geralmente 3 vezes por dia. O outro tipo de insulina, chamada de basal e representada por insulinas lentas e ultralentas, por hora, não tem alternativa. Mas para um diabético do tipo 1 ou 2 insulino-dependente que faz no mínimo 4 aplicações diárias (uma basal e três bolus nas refeições) isso seria reduzido a apenas 1 aplicação subcutânea, sendo as demais supridas pela insulina inalável. Como todo medicamento novo, a insulina Afrezza precisará passar pela aceitação dos pacientes e de seus médicos prescritores, ganhar espaço no mercado das medicações mais modernas para o tratamento do diabetes e comprovar sua verdadeira utilidade, mas tudo indica que será mais um medicamento importante no arsenal terapêutico à disposição do paciente com diabetes. 

     Os custos ainda não foram revelados, mas assim como as novas medicações para o tratamento do diabetes, estima-se que seja um tratamento caro para o bolso brasileiro. Nos Estados Unidos, o kit para um mês custa de US$ 150 a US$ 400, dependendo da dose, se meramente convertido para a moeda brasileira, isso equivaleria a R$ 580 a R$ 1.550, infelizmente um tratamento caro.

      A Afrezza® é comercializa em pó, em cartuchos com três tipos de dosagem 4, 8 ou 12 unidades. O pó inalado chega aos alvéolos e é rapidamente absorvido pela corrente sanguínea e age em menos de 15 minutos. O inalador é cômodo e cabe na palma da mão e pode ser confundido com as famosas "bombinhas" para os asmáticos, o que gera menos constrangimento do que uma injeção no abdome. Ela é mais fácil de transportar e armazenar e não necessita de refrigeração. Por outro lado, é contraindicada para menores de 18 anos e pessoas com problemas respiratórios, como asma ou bronquite, tabagistas e apresenta baixa disponibilidade de dosagens e de forma fixa, o que limita bastante a titulação de dose. 


Dra. Vanessa Aoki Santarosa Costa

Médica Endocrinologista formada pela Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo

Foi  médica colaboradora no Ambulatório de Diabetes Gestacional da UNIFESP

Atua em consultório médico particular na Vila Clementino, Zona Sul, São Paulo.

326 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page