Contato:

(11) 5081-2192 (11) 95628 - 5666 
Email: vansantarosa@yahoo.com.br

Endereço:

Rua Doutor Diogo de Faria, 775,
9º andar Conjunto 91Vila Clementino,
São Paulo-SP - CEP 04037-002

Horário de Funcionamento:

Segunda à Sexta das 08:00 às 20:00

Sábado das 8:00 às 12:00 
Exceto domingo e feriados

  • Grey Facebook Icon

Todos os direitos reservados Dra. Vanessa Aoki Santarosa Costa  CRM-SP 133.89 - Copyright © 2016

Clínica Médica RQE 38724 - Endocrinologia e Metabologia RQE  38725

Informe Legal : As informações contidas em nossa homepage têm caráter informativo e educacional.

   A osteoporose é uma doença caracterizada pelo comprometimento da densidade mineral óssea (quantidade de massa óssea) associada a alterações de sua microarquitetura, mineralização e composição da matriz óssea (qualidade óssea) cuja consequência mais grave é o aumento na probabilidade de fraturas. Acomete mais o sexo feminino, cerca de 4 a 8x mais e é mais prevalente na pós menopausa, quando a perda de massa óssea acelera devido a deficiência estrogênica. Os principais fatores de risco relacionados a osteoporose são: idade, histórico familiar de osteoporose, raça branca ou amarela, baixo peso, sedentarismo e imobilização prolongada, tabagismo e etilismo, dieta pobre em cálcio e uso de alguns medicamentos como corticóides.

  A osteoporose é considerada primária quando está relacionada ao próprio processo de envelhecimento e à menopausa. Já a osteoporose de causa secundária atinge pessoas com doença renal, hepática, endócrina, hematológica ou decorrente de medicações como, por exemplo, corticóides. O exame mais adequado para o diagnóstico da osteoporose é a densitometria óssea, exame de baixa complexidade e simples de ser realizado e que permite avaliar o estágio da doença bem como serve de  instrumento no acompanhamento do tratamento.  Valores < -2,5 DP no T escore nos sítios de coluna lombar, colo do fêmur e fêmur total  faz o diagnóstico de osteoporose, ou osteopenia (T escore entre -1,0 a -2,4 DP) associado a fratura por queda de baixo impacto também sugere um quadro de osteoporose.

O tratamento baseia-se no aumento da ingesta de leite e derivados ou suplementação com cálcio quando necessário, manutenção de níveis adequados de vitamina D e medicações que inibem a reabsorção óssea ou estimuladores da formação óssea. As medicações mais utilizadas são:

  • Bisfosfonatos: alendronato, risedronato, ibandronato e ácido zoledrônico. São as medicações atualmente mais prescritas para o tratamento da osteoporose. Essas medicações agem inibindo a reabsorção óssea e impedindo a perda de massa óssea a longo prazo. Diferem sobretudo na posologia - via oral 1x/semana, 1/mês ou endovenoso. Recomenda-se após 5 anos de uso rever a necessidade de manutenção do tratamento devido a supressão excessiva do turnover ósseo, porém casos graves de osteoporose o tratamento deve ser mantido por tempo indeterminado.

 

  • Ranelato de Estrôncio: atua tanto inibindo a reabsorção óssea quanto estimulando sua formação. Possui eficácia comprovada na redução do risco de fraturas, podendo ser uma alternativa aos bisfosfonatos.

 

  • Raloxifeno: substância capaz de se ligar aos receptores de estrogênio e induzir ações agosnistas e antagônicas aos estrogênios a depender do sítio-alvo. No osso, seu efeito é agonista com ação semelhante aos estrogênios promovendo ganho de massa óssea sobretudo em coluna lombar.

 

  • Teriparatida (PTH 1-34): possui estrutura semelhante à molécula do PTH, sendo um potente anabolizante do tecido ósseo, e o medicamento mais eficiente para aumentar a massa óssea. Diminuiu o risco de fraturas vertebrais e não vertebrais, mas o alto custo da medicação e seu modo de administração (injeções subcutâneas diárias) limitam seu uso. A duração do tratamento é de 2 anos.

 

Osteoporose